SABEDORIA

Como é feliz o homem que acha a sabedoria, o homem que obtém entendimento, pois a sabedoria é mais proveitosa que a prata e rende mais que o ouro. É mais preciosa que rubis; nada do que você possa desejar se compara a ela. Na mão direita, a sabedoria lhe garante a vida longa, na mão esquerda, riquezas e honra. Os caminhos da sabedoria são caminhos agradáveis e todas as suas veredas são paz. (Provérbios 3:13-17)

domingo, 4 de novembro de 2018

SOBRE A CHUVA


Ela cai sem pedir licença fazendo sua poesia 
às vezes barulhenta vez por outra suave

Na infância, o ronco estrondoso dos relâmpagos causava medo
os ventos que a anunciavam traziam o receio e o pavor
quando caia em blocos de neve, orávamos para os telhados suportarem...
e quando ia embora, deixava um rastro de dor ou felicidade...
as enchentes que levavam sonhos e conquistas
as pequenas enxurradas que serviam para a alegria da meninada
com seus barquinhos vulneráveis de papel...
 trazia esperança de vida nos campos
mas em abundância deixava angústia de trabalhos perdidos
e o pão de cada dia se escoava em rasas valas...
assim é a natureza, inocente e impiedosa
não se pode contê-la

A chuva que cai lá fora é poesia mansa
é um alívio para o verde que a espera
desperta a saudade nos corações solitários
mas acalma pensamentos atribulados e aflitos
no decorrer dos anos a  chuva é esperança 
seus barulhos não atemorizam
A chuva agora sempre será poesia...

Elzenir Apolinário

3 comentários:

  1. Tirando as enchentes que quase sempre são por causa das agressões do homem ao meio ambiente, a chuva é sempre uma delícia, é renovação, vida para as plantas e pra gente. Chuva é poesia!

    ResponderExcluir
  2. Elzenir, boa noite!
    Quanta beleza nesse poema de tantas reflexões! Mesmo num planeta ideal para a vida humana, a natureza tem seus eventos portentosos, as vezes belos e às vezes devastadores...Quanto mais o ser humano tomasse providências, menores seriam os efeitos dramáticos e dolorosos. Mas o ser humano é egoísta, e muitos acabam empurrados para condições de grave perigo. Outros se expõem por imprudência. São reflexões preciosas. Teus poemas SEMPRE trazem reflexões imperdíveis.
    Seguindo!
    Um abraço carinhoso,
    Angelo Feinhardt, Fe

    ResponderExcluir
  3. A propósito, eu não tinha visto sua última resposta da postagem de 08.03.15 aos meus comentários. Só a vi hoje, quase quatro anos depois, ao ler inúmeras postagens suas. Que pena.

    ResponderExcluir

Releituras