SABEDORIA

Como é feliz o homem que acha a sabedoria, o homem que obtém entendimento, pois a sabedoria é mais proveitosa que a prata e rende mais que o ouro. É mais preciosa que rubis; nada do que você possa desejar se compara a ela. Na mão direita, a sabedoria lhe garante a vida longa, na mão esquerda, riquezas e honra. Os caminhos da sabedoria são caminhos agradáveis e todas as suas veredas são paz. (Provérbios 3:13-17)

terça-feira, 7 de março de 2017

CHANSON DES FEMMES


Chanson des femmes

Les femmes sont belles comme roses
elles enchantent silencieuses les chemines par que passent
meme les sovages fleurs sus les gros epines
que les protegent  qu`elles soient cuillé, parfument  l`air

Ses alms amenent ses râves tant bleus
ses yeux parfois tant tristes cachent 
les épreuves qui seulement une femme sente
ses tenús sourires brillant pour cacher ses solitaires nuits

Ses levres ne disent pas des mots
parce que le monde ne les comprend pas, ne les respecte pas
elles suivent le cour du temp qu` aussi est son antagoniste
ni persone voule savoir de ses desires

Et elles marchent malgré de les douleurs que blessent ses coeurs
parce qu` elles sont trop fortes, elles sont femmes!!!!

 Elzenir Apolinário

Tradução
Canção das mulheres
As mulheres são belas como rosas
elas encantam silenciosas os caminhos por que passam
mesmo as flores selvagens sob seus grossos espinhos
que lhes protegem de que elas sejam colhidas perfumam o ar.

Suas almas carregam seus sonhos tão azuis
seus olhos às vezes tão tristes escondem
os sofrimentos que somente uma mulher sente
seus tênues sorrisos brilham para esconder suas solitárias noites

Seus lábios não dizem as palavras
porque o mundo não as compreende e não respeita
elas seguem o curso do tempo que também é seu antagonista
ninguém quer saber de seus desejos

E elas caminham apesar das dores que fere seus corações
porque elas são muito fortes, elas são mulheres!!!

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Le silence du jardin












As folhas caiam sem fazer ruídos
era total o silêncio do jardim
um imperativo silêncio que calava
até mesmo a brisa mansa

Era proibida a entrada das palavras
só havia a beleza das flores que inebriava os olhos
e sobrepujava qualquer ofuscamento
o perfume reinava soberano sobre os ares

A serenidade encontrou seu lar
nada podia contra o silêncio
que intrépido revolvia um barulho
dentro daquela alma chacoalhada
e amordaçada pelo tempo

A luta entre o vento forte e a brisa começa...
não se pode saber o vencedor
neste momento, o silêncio habitava apenas os canteiros
enquanto ali dentro havia uma temerosa batalha

Que direito teria este senhor de julgar as almas rendidas?
teria tal poder este imperador dos jardins que atraem pela beleza
mas cobram um alto preço pela saída?

O silêncio é impiedoso
provoca o barulho de dentro
inquieta a alma, lança-a de um lado para outro
faz dela sua escrava

A pobre alma sucumbe sem forças
entrega-se àquele juiz severo
que vem revolver-lhe as entranhas
roubando-lhe a paz e trazendo-lhe a tormenta
vai-se atordoada pelas ruas sem destino

Imponente, o belo jardim ainda encanta
e seu imperioso silêncio dorme à espera
de outras almas inocentes...

Elzenir Apolinário/julho 2016
 ( Imagem: Jardim Keukenhof- Holanda)

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

O AMOR PODE ESPERAR


Ela caminhava pelas ruas escuras da cidade indiferente
as flores que trazia nos cabelos ficaram perdidas em um beco escuro
ou em uma esquina invasiva
absorta em pensamentos, não enxergava o mundo a seu redor
já não importava parar ou seguir...

Seus olhos de brilho intenso ficaram perdidos na escusa noite
o sorriso que coloria sua face escondeu-se por longas horas
nada havia ao redor, apenas o inquietante silêncio do vazio
Aquele lugar lhe era inóspito, longe dos desenhos tecidos por seus sonhos

O coração que se agitava no peito, agora, apenas lhe garantia a vida
era apenas um corpo em movimento que vagava no espaço solitário
procurava algo...O amor. Não encontrava! Teria ele abandonado a cidade?
poderia ser agora um ser em esperanças como ela, que desistiu de um mundo tão frio...

Em passos trôpegos, ela não sente o chão...
Seus pés lentos em vão seguem um rumo desconhecido
ela se sente sozinha e invadida pelo medo...
por um instante pensa em desistir da caminhada
está enclausurada em um labirinto sem saída, abandonada em seu destino


Ao longe,  uma luz alva lhe atrai...Fugiria como os cegos?
são as flores de outrora...As flores perdidas na escuridão
Ela se enche de esperança e em passos firmes segue em
direção àquela luz que dissipa o vazio e rompe as amarras do medo
segue ao encontro do amor verdadeiro, incomensurável
que a esperava silenciosamente em um canto da cidade...

Elzenir Apolinário






terça-feira, 3 de novembro de 2015

QUI EST TU?












Qui est tu?
J`ai ne sais pas bien
Qui est tu
Mais je sais que vous
me faites heureuse
Tes lèvres sont douces
avec du miel
Tes mains tatent doucement ma face
Nous marcherons ensembles
ou nos prenons des chemins differents?
La vie est noire mais
mes rêves sont bleues
Seulement parlez moi se vous voules partir
Mon coeur est très sensible, mais
si vous disiez les mots certes mon âme te comprendra
et je ne dirai pas ni un mot mais mes yeux seront
pleines des larmes
Et si un jour vous voulez revenir dans mes bras, 
je te recevrai avec un sourire.

Elzenir Apolinário

Tradução

Quem é você?
Não sei bem 
quem és tu
mas sei que você 
me faz feliz
Teus lábios são doces 
como mel
Tuas mãos tocam docemente meu rosto
Nós caminharemos juntos 
ou tomaremos caminhos diferentes?
A vida é negra, mas meus sonhos são azuis
Somente fale-me se você quiser partir
Meu coração é muito sensível, mas
se você disser as palavras certas, minha alma te compreenderá
e eu não direi nenhuma palavra, mas meus olhos estarão 
cheios de lágrimas
E se um dia você quiser voltar para meus braços
eu te receberei com um sorriso.

Elzenir Apolinário

segunda-feira, 6 de julho de 2015

RENDIÇÃO























De um simples olhar construí castelos

de um sorriso fiz a rota para o paraíso
Um toque de mãos  virou laço
Em silêncio nasceu o poema

Em pequenos gestos senti a ternura
Calei um coração em descompasso
Escondi um sorriso de contentamento
ocultei o mais puro sentimento

Ergui muros em volta de mim
que me esconderam de ti
Saí pelas ruas solitárias 
Onde o vento soprava as esperanças

Corri para longe dos pensamentos
Atravessei para a outra margem
Mas como ré confessa retorno 
a ti declaro que me rendo! 

Elzenir Apolinário